Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
26 de julho de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Com informações da assessoria

MANAUS – Os casos de hepatites virais no Amazonas apresentaram queda de 54,7%, entre 2019 e 2020, conforme dados preliminares do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis (DCCI), do Ministério da Saúde (MS), passando de 1.319, há dois anos, para 620, no ano passado. O número de mortes também registrou queda de 3,6%, passando de 55 para 53.

Neste mês, instituições de saúde em todo o País desenvolvem a campanha Julho Amarelo, instituída pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com a finalidade de reforçar as ações de vigilância, prevenção e controle das hepatites virais. No Amazonas, o movimento recebe o apoio da Associação Segeam (Sustentabilidade, Empreendedorismo e Gestão em Saúde do Amazonas).

A presidente da Segeam, enfermeira estomaterapeuta Karina Barros, explica que a hepatite é uma inflamação no fígado, que pode ser provocada por inúmeros fatores, como uso de alguns medicamentos, álcool, drogas, vírus e até doenças metabólicas e autoimunes.

De acordo com ela, as hepatites mais comuns são as A, B, C, D e E. No Brasil, no entanto, a prevalência gira em torno dos tipos causados pelos vírus A, B e C. “Milhões de pessoas podem ser portadoras dos vírus B e C, mas não sabem disso. Elas podem evoluir ou não para quadros crônicos. Em casos de evolução, podem levar a graves problemas, como cirrose e até câncer”, destaca.

Contágio

De acordo com o Sistema de Informação de Agravos e Notificações (Sinan), do Ministério da Saúde, o contágio pode ocorrer a partir das condições precárias de saneamento básico e água, de higiene pessoal e dos alimentos (vírus A e E); Transmissão sanguínea: praticou sexo desprotegido, compartilhou seringas, agulhas, lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos que furam ou cortam (vírus B,C e D); Transmissão sanguínea: da mãe para o filho durante a gravidez, o parto e a amamentação (vírus B,C e D) .

“Por isso, é tão importante manter os bons hábitos, como o uso de preservativos durante as relações sexuais, higienizar bem os alimentos, ferver a água utilizada no consumo, ter cuidado com os objetos cortantes, evitar reutilizar seringas e agulhas, evitar o consumo de alimentos crus, entre outros”, destacou Karina Barros.

Detecção

A detecção ocorre, na maioria dos casos, por teste rápido, disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). No caso das hepatites B – transmitida por via sexual – e C, é preciso um intervalo de 60 dias para que os anticorpos sejam detectados no exame de sangue.

Karina Barros destaca que, grande parte das hepatites, têm tratamento com antivirais que levam à cura. Mas, no caso da hepatite B, que não tem cura, a melhor forma de prevenção é a vacina, que é ofertada também na rede pública. A hepatite C é a única que não possui vacina, mas que dispõe de tratamento altamente eficaz.