Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Cassandra Castro – Da Cenarium

BRASÍLIA – Uma manifestação silenciosa, mas marcante, tomou o gramado do Congresso Nacional, em Brasília, na manhã desta segunda-feira, 18, com 600 lenços brancos pendurados em varais improvisados. O ato aconteceu em memória dos mais de 600 mil brasileiros mortos na pandemia de Covid-19 no Brasil e foi uma iniciativa da ONG Rio de Paz. Além da homenagem aos mortos e seus familiares, o ato também foi um repúdio à postura adotada pelo governo federal no enfrentamento da doença.

Ato também foi um repúdio à postura do governo federal diante da pandemia (Ronnie Lobato)

O protesto em solidariedade às vítimas da Covid-19 terminou no fim da manhã desta segunda-feira,18. Depois da manifestação, o taxista Márcio Antônio, que perdeu o filho Hugo, de 25 anos, entregou os lenços ao senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP), vice-presidente da CPI da Covid.

Márcio Antônio ficou conhecido no Brasil por ter arrumado as cruzes que foram fincadas nas areias da Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, em homenagem aos mortos pelo coronavírus no Estado. A instalação, uma também iniciativa da ONG Rio de Paz, sofreu ataques de vandalismo em junho deste ano.

Sessão desta segunda-feira, 18, da CPI da Covid foi marcada por emoção de parentes das vítimas de Covid-19 (Agência Senado)

Nas redes sociais, o senador Randolfe Rodrigues publicou uma foto do momento da entrega dos lenços durante a sessão da CPI desta segunda-feira, 18. “São centenas de milhares de histórias interrompidas de maneira abrupta e que poderia ter sido diferente não fosse a negligência e o descaso do governo federal”, dizia as publicações.

Leia também: Parceria entre ‘Capitã Cloroquina’ e Prevent Senior levou tratamento precoce a Manaus, aponta CPI
(Reprodução/Twitter)

O presidente da ONG Rio de Paz, Antônio Carlos Costa, destacou a “impressionante falta de empatia” do presidente Jair Bolsonaro, observando que ele “nunca derramou uma lágrima” pelas vítimas.

CPI

A CPI da Pandemia foi instalada no dia 27 de abril e iniciou os trabalhos no dia 4 de maio com os depoimentos dos ex-ministros da saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. A Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado tem como objetivo apurar as ações e omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia da Covid-19 no Brasil e, em especial, no agravamento da crise sanitária no Amazonas.