Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
28 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Gabriel Abreu – Da Revista Cenarium*

Manaus – O deputado federal delegado Pablo Oliva (PSL) teve os seus bens bloqueados pela Justiça Federal. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF) Pablo é suspeito de praticar crimes contra a ordem tributária, lavagem de dinheiro e corrupção passiva. As informações foram divulgadas pela coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo.

Pablo Oliva é delegado licenciado da Polícia Federal, e segundo as investigações da própria PF, o deputado utilizou de seu cargo na polícia para praticar ilícitos e que teria se aproveitado de informações obtidas em investigações para viabilizar o agenciamento de venda de uma empresa para sua mãe, Eda Maria Oliva. Os eventos ocorreram entre 2011 e 2012.

Segundo o MPF, o empresário Daniel Tomiasi teria adquirido a empresa “Só Mudas”, de Eda Oliva Souza, por R$ 500 mil. No entanto, a companhia nunca havia registrado qualquer indício de atividades que justificassem o valor pago, como vínculos empregatícios, ponto comercial ou clientes. A empresa não tinha, sequer, autorização para produzir mudas.

Após a sucessão societária, os novos sócios não contrataram funcionários nem movimentaram recursos. Além disso, mantiveram Pierre Oliva, médico e irmão do deputado, como sócio, o que fortaleceu a suspeita no MPF de que a negociação da empresa “serviu para ocultar a destinação de valores ilícitos” a Pablo Oliva, atualmente deputado federal.

Na condição de novo proprietário, Tomiasi também pagou um débito de R$ 116 mil relativo a um imóvel registrado pela Só Mudas.

A Polícia Federal constatou que Pablo confeccionou o contrato de aquisição da empresa em sua estação de trabalho, mesmo que, oficialmente, não tivesse qualquer relação com o negócio.

Além de ter usado seus familiares para ocultar a propriedade da empresa Só Mudas, Pablo usou os valores recebidos na construção de uma casa, aponta o MPF.

A obra foi intermediada por sua mãe, mas troca de e-mail obtida pela PF mostrou que o beneficiário dela seria Pablo, na casa de quem foram encontrados recibos de entregas de grande quantidade de dinheiro em espécie sem lastro na Receita Federal.

Operação Seronato

Em maio deste ano o deputado federal Pablo Oliva (PSL) e a sua mãe, Eda Maria Oliva, foram alvos da Operação Seronato, da Polícia Federal do Amazonas. A investigação apurava crimes contra a ordem tributária, lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Na época que a operação foi realizada, o parlamentar se manifestou dizendo que confiava no trabalho da PF, instituição e que pessoas procuram manchar a imagem dele com o objetivo de “tirar um delegado da Polícia Federal da política, por meio de perseguição, divulgando mentiras de maneira irresponsável. Deixo um recado claro: vocês não colocarão freio em meu trabalho pelo povo do Amazonas, principalmente contra a corrupção que sempre combati. A devida retratação será requerida. Não desapontarei as milhares de pessoas que confiam em mim”, dizia trecho da nota.

Procurado nesta sexta-feira, 24, pela REVISTA CENARIUM para comentar a reportagem, o deputado federal Pablo Oliva (PSL) disse que não iria se manifestar sobre o assunto.

(*) Com informações do jornal Folha de S. Paulo