Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
25 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações do O Globo

OROCUÉ, COLÔMBIA — Um boto-cor-de-rosa que corria risco de morte devido ao baixo nível das águas do rio Pauto, na Amazônia colombiana, foi resgatado, transferido e solto pelas Forças Armadas do País, nesta terça-feira, 12. O animal estava encalhado há mais de um mês. A região enfrenta uma forte onda de calor e seca.

O mamífero foi retirado do rio e depois transportado a bordo de um caminhão até Paz de Ariporo, onde um avião da Força Aérea da Colômbia o aguardava para levá-lo ao município de Orocué. O boto-rosa foi solto com sucesso nas águas do rio Meta.  

Uma aeronave precisou ser adaptada para fazer o transporte do animal. O C-208 da Força Aérea da Colômbia teve três conjuntos de cadeiras removidos e amarrações de carga adaptadas na parte traseira para fornecer espaço suficiente ao golfinho.

A modificação também teve objetivo de comportar toda a equipe interdisciplinar de veterinários e biólogos que acompanharam o resgate e a transferência do animal.

Aeronave precisou ser adaptada pra o transporte do boto-rosa Foto: Divulgação
Aeronave precisou ser adaptada pra o transporte do boto-rosa Foto: Divulgação

O boto-rosa é o maior cetáceo de água doce do mundo e se encontra em perigo de extinção. O animal foi listado como ameaçado pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

Esta espécie de mamífero aquático, cientificamente conhecida como ‘Inia geoffrensis’, está presente em toda a região amazônica, em países como a Colômbia, Brasil, Bolívia, Equador, Peru e Venezuela.