2 de março de 2021

Com informações da UOL

SÃO PAULO – O ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro Fernando Haddad, candidato derrotado do PT nas últimas eleições presidenciais, avaliou que, atualmente, o antibolsonarismo “é muito maior” do que o antipetismo, visto como um dos fatores que em 2018 levou à vitória do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Daqui a cem anos nós vamos lembrar o erro que nós cometemos”, falou Fernando Haddad, em referência a seu adversário em 2018. Comparada a disputa em que foi derrotado com a do ano que vem, ele comentou que o antibolsonarismo é muito mais forte hoje. “Muito maior. É um escândalo um país como o Brasil ser presidido por uma pessoa dessa qualidade. É um escândalo mundial. O Brasil está fora, completamente fora do circuito, por causa da Presidência do Bolsonaro”, afirmou.

Ao falar sobre os pedidos de impeachment contra Bolsonaro no Congresso, Haddad avaliou que agora é mais difícil discutir o tema.

“A minha avaliação é que ficou muito mais difícil agora discutir o impeachment, porque já estamos na segunda metade do mandato, e o Bolsonaro, via centrão, simplesmente loteou o governo e se fortaleceu, para manter não só o seu mandato, mas para blindar seu filho Flávio Bolsonaro”, disse.

Com e eleição da presidência do Senado e da Câmara dos Deputados, na semana passada, Haddad vê o presidente “blindado”. “O Bolsonaro se blindou neste momento, e a eleição das mesas deixou claro que ele se enfraqueceu como presidente, mas fortaleceu aqueles que vão protegê-lo até 2022”, finalizou.