26 de fevereiro de 2021

Carolina Givoni – Da Revista Cenarium

MANAUS – Viralizou nas redes sociais nesta quinta-feira, 18, um vídeo do gol marcado por um chute do meio de campo, de aproximadamente 57 metros, que consagrou a vitória do Fast Clube contra o Iranduba, na partida da quarta-feira, 17, válida pelo Campeonato Amazonense de 2020.

O jogador Emerson Bacas foi responsável pelo lance, conhecido no meio futebolístico como “gol perdido do Pelé”. O termo faz referência à semelhança do “quase gol” perdido na histórica goleada de 4 a 1, da Seleção Brasileira contra a Tchecoslováquia em 1970.

“Fico feliz demais pelo gol e espero poder dar sequência no campeonato e conquistar os objetivos pelo Fast. Em relação ao gol, eu já tinha percebido que o goleiro estava afastado das traves desde o primeiro tempo. Então eu só esperei a oportunidade e deu tudo certo”, diz Bacas, autor do gol.

Emerson ainda afirmou que brincou com o árbitro da partida sobre a possiblidade de marcar o gol de uma distância tão longa. “Falei para ele que eu iria fazer um gol dali do meio de campo. Ele olhou para mim e falou: “será?”, detalhou o jogador de futebol.

Projeção nacional

O jornalista esportivo, Eduardo Monteiro de Paula, mais conhecido como “Dudu”, afirma que a projeção nacional do gol pode representar um avanço no mercado local da “bola”.

“O último exemplo antes deste, foi o gol do Hamilton saltando alto e com o bico da chuteira. O gol o levou a jogar no Oriente Médio. Seguramente o gol do Emerson, mais do que projetá-lo, insere o Amazonas na rota de jogadores que devem ser vistos”, detalhou.

Para ele, apesar do atual campeonato ter um dos gols mais bonitos, a competição ainda não pode ser considerada superior às edições anteriores.

“Temos um razoável trabalho de base. O problema é que os nossos clubes profissionais preferem buscar jogadores de fora de nosso mercado para usarem nas competições mais importantes. Assim, os atletas e técnicos locais ficam sempre em segundo ou terceiro plano”, lamentou.

Veja o vídeo

Valorização dos atletas

Monteiro de Paula faz uma análise comparativa sobre o tratamento e mercado do futebol no Amazonas e Pará.  “Os melhores futuros craques buscam em outros lugares o seu aprimoramento e, neste item, o Pará ganha de dez a zero do Amazonas, porque craque temos e muitos, mas está mais do que na hora de acreditar na ‘prata da casa’, criticou Dudu.

Iniciativas

A pandemia provocou a paralisação de jogos e, consequentemente, o calendário esportivo. Por essa razão, o governo do Estado, por meio da Fundação Amazonas de Alto Rendimento (Faar), diz que vai dar início a tratativas com a Federação Amazonense de Futebol (FAF).

“Uma ação que já ocorre é a isenção do pagamento de aluguel na utilização dos espaços oficiais de futebol, que são Arena da Amazônia, Estádios Carlos Zamith e Ismael Benigno (Colina). Desde o reinício do Campeonato Amazonense de Futebol 2020 (Barezão), na última segunda-feira, 15. Esse benefício também foi estendido para a temporada 2021”, finaliza nota da Faar.