Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
29 de julho de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Com informações da Folha de S. Paulo

SÃO PAULO – “Ei, mulher! O que está acontecendo?? Esse tempo de dor vai passar… Você não está sozinha. A violência e a opressão não vão te paralisar. Deus está cuidando de você!” Assim que disparou a mensagem em suas redes sociais, a cantora gospel Quesia Freitas, 36, começou a colher histórias de evangélicas que, como ela, foram alvo de violência doméstica, crime que afeta mulheres de todas as idades, religiões e classes.

Há, contudo, particularidades na experiência cristã que, muitas vezes, viram fonte de silenciamento.

Primeiro, há machismo embutido no discurso de alguns pastores que pregam a submissão feminina, baseados em versículos bíblicos como este do Novo Testamento: “Vós, mulheres, sujeitai-vos a vosso marido, como ao Senhor, porque o marido é a cabeça da mulher”.

Mulheres de fé também relatam mais dificuldade de quebrar o ciclo de agressões por aprenderem em suas igrejas que uma oração bem feita é melhor do que um boletim de ocorrência registrado.

O caso de Quesia extrapolou as paredes do templo quando, em novembro de 2020, viralizaram imagens do então marido a arrastando num shopping carioca. Reincidente, ele tinha por hábito dar tapas nela, puxar seu cabelo e até ameaçá-la de morte, segundo a cantora.

A brutalidade pública começou num dia de folga para os dois, ela conta à Folha. “Fomos tomar café da tarde e não tinha o achocolatado que ele queria. Ali ele já se estressou bastante. Depois fomos ao cinema, e ele continuava alterado. Meio irritado. Aí, comprei os ingressos para surpreendê-lo, e ele se irritou mais.”

Fiéis em culto da Igreja Batista da Lagoinha – Zanone Fraissat – 18.abr.21/Folhapress

Quesia diz que lhe perguntou o que estava acontecendo. “Do nada ele gritou: ‘Vamos embora agora!’”, reproduz sobre o homem com quem casara um ano antes. “Foi como um amor à primeira vista, mas ele já demonstrava ser uma pessoa estressada. Implicou com meu trabalho, minha família, meus amigos.”

Até na Agape Church, sua igreja, o marido a proibiu de ir sozinha, afirma. “Pra ele, todo mundo estava dando em cima de mim.”

O que Quesia passou só veio à tona porque seu irmão, o também cantor gospel Juninho Black, denunciou o cunhado na internet. “Resolvi trazer a público o caso agora depois de perdoar várias vezes. […] Família, não quero que minha irmã caia nas estatísticas de feminicídio.”

Haveria uma complacência maior em ambientes cristãos com episódios como o de Quesia? Dois lançamentos literários sustentam que sim e veem a mesma Bíblia que prega o amor ser usada por pastores para abafar a violência contra as irmãs de fé.

Dados com esse foco são escassos. A pesquisadora Valéria Vilhena, para sua tese de mestrado, levantou que quase 40% das atendidas na Casa Sofia, projeto social da Igreja Católica que acolhe vítimas de violência doméstica, se declaravam evangélicas.

“Os discursos teológicos predominantes reforçam a necessidade de a mulher se submeter ao marido, uma submissão que implica, em geral, certa subalternidade”, diz Marília de Camargo César, autora de “O Grito de Eva – A Violência Doméstica em Lares Cristãos” (Thomas Nelson).

Segundo César, o capítulo 5 da carta de Paulo aos Efésios —na qual ele ensina que, como cristãos, devemos nos submeter uns aos outros— é deturpado para justificar a frouxidão de líderes religiosos no tema. “Todo cristão deve ter uma atitude de disposição para servir o outro. É um chamado para todos, homens, mulheres, filhos, pais, servos, patrões. Todos. Só que as igrejas pregam Efésios 5 apenas na parte que fala ‘mulheres, sejam submissas a seus maridos’. O resto fica de fora.”

Seu livro traz relatos como o da professora Regina, 45: “Durante 30 anos eu aprendi isso. Está no livro de Efésios —eles nunca ensinavam o texto inteiro, só esta parte [da subjugação feminina]. É a frase mais cruel da Bíblia”.

Regina tinha 16 anos e nenhum namoro prévio quando conheceu o homem que viraria um marido que “queria ser o senhor da casa, controlar tudo, mandar na minha roupa, nos meus horários, saber com quem estava falando, onde eu tinha ido”. Uma história similar à de Quesia e à de tantas outras mulheres.

“Uma vez chegou do trabalho e colocou a mão em cima da TV para ver se estava quente. ‘Ficou na televisão o dia todo?’ Chamava-me de burra, de idiota”, ela contou à autora. Piorava na cama. “Fica sem falar comigo o dia inteiro, mas à noite chega com aquela mão pesada. E vai fazendo o que quer, como quer. Sem carinho, sem abraço. E me invade rispidamente, dolorosamente. Você quer gritar, mas não grita.”

Um clipe de Cassiane, cantora de alto quilate no segmento, virou amostra da evangélica que, nas palavras de César, “têm somente em Deus a esperança de escape de uma realidade de agressões físicas e psicológicas”.

Em “A Voz”, uma mulher ora de joelhos pelo marido alcoólatra, que bate nela e furta seu dinheiro para gastar na jogatina. Embalada pela letra sobre um Deus que “faz demônios saírem”, a sofredora sai de casa sem deixar de pedir a Deus pela conversão do marido, que por fim vem.

O vídeo repercutiu mal, e Cassiane acabou produzindo nova versão em que a protagonista liga para o 180 (número para denunciar violência contra a mulher).

A tradutora Silvia, 67, já viu esse filme antes. Casou em 1978 com outro evangélico. “Eu não percebia, ou não queria perceber, o quão machista ele era. Coisas do tipo: batom vermelho é muito chamativo, jeans de cintura baixa… Nada disso ‘ficava bem’ para uma moça crente”, diz à reportagem.

Ele passou a ser agressivo também com os dois filhos que tiveram. “Quando eu interferia para que não batesse nas crianças, ele me batia”, conta Silvia (seu nome foi trocado a pedido dela).

Mesmo cientes dos abusos, o pastor e os outros membros da igreja silenciaram. “Para o pessoal da igreja isso era normal. Acontecia com muitas jovens. E não havia lugar para este tipo de reclamações, que pareciam irrelevantes.”

A escalada de violência culminou no dia em que “ele chegou transtornado em casa, me bateu e começou a dizer que ia me matar, como que drogado”. Silvia pegou os filhos e foi embora de vez.

Ouviu recriminações do entorno religioso. “Se seu marido a trata mal é porque ela está errando em alguns coisa e não estava sendo uma esposa cristã”, escutou. “Mais de uma ‘irmã’ da igreja chegou a me perguntar o que de tão sério eu havia feito para ele tentar me matar.”

Para a tradutora, quando a cultura religiosa (que ela prefere nem classificar como cristã) “se omite em relação à opressão do patriarcado, ela favorece, sim, a violência doméstica”.

Em “A Bastarda de Deus” (Editora Noir), Júlio Chiavenato afirma que estão na Bíblia todos os preconceitos contemporâneos contra a mulher, a começar por Adão e Eva. Em Gênesis, após o casal comer o fruto proibido, Deus castiga a mulher para a eternidade: “Com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará”.

O autor reproduz passagens bíblicas para recompor uma visão tirânica sobre as mulheres. “A ideia de que a ‘filha mulher’ é para casar é tão antiga quantos as velhas escrituras hebraicas”, diz. Vide este trecho de Eclesiástico: “Casa a tua filha e terás concluído uma grande tarefa”.

O desprezo pela figura feminina era tamanho que personagens bíblicos ofereciam filhas virgens para salvar homens, aponta Chiavenato.

É o que Ló faz quando uma turba bate à sua porta pedindo que entregue dois anjos que vieram lhe pedir abrigo: “Traga-os para nós aqui fora para que tenhamos rela­ções com eles”. Ao que um dos protagonistas do Antigo Testamento propõe: “Olhem, tenho duas filhas que ainda são virgens. Vou trazê-las para que vocês façam com elas o que bem entenderem”.

Quesia, a cantora agredida no shopping, escolhe o Deus do amor para guiar sua vida. Com o irmão, idealizou o projeto Superei, “da qual sou apenas porta-voz de mulheres que trazem suas histórias”.

A artista diz que ajuda a conectar essas mulheres com quem pode ajudá-las, como empresários que dão oportunidades para elas terem autonomia financeira. Ela mesma, especialista em megahair, já deu cursos de graça para outras aprenderem o ofício.