Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
27 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações do O Segredo

A Amazônia é um patrimônio mundial. A floresta cheia de vida, beleza e diferentes espécies de plantas e animais, está em maior parte localizada no Brasil, porém Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa também detêm um pouco de seu território.

Infelizmente, nem todos sabem apreciar sua grandeza a distância. Há muitas décadas, a floresta vem sendo explorada ilegalmente, em diversos países, e com isso suas formas de vida estão sendo constantemente ameaçadas, assim como a dos povos que vivem nesses lugares.

Enquanto muitas vezes a floresta é deixada à própria sorte, existem algumas pessoas que se levantam para lutar em seu favor, como é o caso da líder indígena da Amazônia, Nemonte Nenquimo. Ela vive no Equador e liderou um grande e inspirador trabalho para preservar as florestas de explorações que levam à sua destruição.

A jovem esteve à frente de uma campanha indígena e uma ação legal em favor da Amazônia, e como resultado conseguiu uma decisão judicial que protegeu 500 mil acres do território waorani na floresta amazônica de empresas de petróleo.

O povo waorani, do qual ela faz parte, reúne cerca de 5 mil pessoas hoje, e tem sofrido bastante desde a década de 1960, com a exploração de petróleo, extração madeireira e construção de estradas, o que afetou o seu lar.

Em 2018, o ministro de Hidrocarbonetos do Equador anunciou o leilão de 16 novos contratos de petróleo a ser explorado nas terras indígenas, o que violava diretamente o direito de seu povo.

Nemonte, então, cofundou a organização Ceibo Alliance, para lutar contra as concessões de petróleo planejadas. Ela organizou comunidades waorani, realizou assembleias regionais e ainda lançou uma campanha digital voltada para investidores em potencial. A frase escolhida como slogan foi “Nossa floresta tropical não está à venda”.

Além disso, a líder também prestou apoio às comunidades, para que se mantivessem independentes de subornos de empresas de petróleo. Com sua ajuda, foram instalados sistemas de coleta de água da chuva e painéis solares na região. Nemonte também apoiou uma empresa de produção de cacau e chocolate orgânico, liderada por mulheres, e garantiu treinamento para jovens waorani serem cineastas e documentar os ativistas.

Premiação

O Prêmio Goldman, que foi criado em 1989 e premia seis heróis ambientais a cada ano, foi muito bem entregue a Nemonte, cuja liderança inspirou seu povo e alcançou grandes resultados em favor dos indígenas.