Alta de casos de Covid-19 no AM afasta funcionários do comércio e afeta estabelecimentos

Marcela Leiros – Da Revista Cenarium

MANAUS – A alta de casos de Covid-19 no Amazonas neste início de 2022 tem impactado, além das unidades de saúde da capital amazonense, o comércio e serviços prestados na cidade. Agências bancárias e comércios têm sido afetados pelo afastamento de funcionários diagnosticados com a doença. O Instituto Fecomércio de Pesquisas Empresariais do Amazonas (Ifpeam) indicou que seis em cada dez comerciantes de Manaus apontaram afastamento de empregados por conta da Covid-19 e quatro em cada dez registraram queda nas vendas.

Nessa quarta-feira, 19, o número de novos casos de Covid-19 no Amazonas chegou a 7.505, sendo três óbitos pela doença. Entre os casos confirmados no Amazonas, internados em Manaus, há 466 pacientes, sendo 369 em leitos clínicos (45 na rede privada e 324 na rede pública), 82 em UTI (15 na rede privada e 67 na rede pública) e 15 em sala vermelha.

Leia também: Empresários no AM veem como ‘preocupante’ cenário econômico no primeiro semestre de 2022

“Fui em uma clínica de imagem, em um shopping de Manaus, solicitar um exame de urgência de ultrassom e não tinha médicos para fazerem o exame. A justificativa foi que todos os médicos da clínica estavam com Covid-19. Consequentemente, não tinha profissionais para fazerem tomografia nem para ressonância magnética também”, contou um empresário, que preferiu não se identificar, à CENARIUM.

Em um empresa do ramo alimentício, também em Manaus, seis dos nove funcionários de um turno foram afastados após se infectarem com o vírus. Toda a equipe da empresa precisou ser reordenada para atender os turnos e expedientes.

“Eu fui uma das primeiras pessoas a pegar Covid-19 na empresa em que eu trabalho, e logo em seguida outros colegas também pegaram a doença. De imediato, a empresa resolveu nos afastar, e hoje eu completo nove dias de isolamento. Ao contrário de outros lugares, a empresa, assim que tomou conhecimento dos casos, direcionou a gente para fazer o teste, assim como ao voltar para a empresa eles solicitaram outro teste para comprovar que estamos aptos para voltar ao trabalho”, disse Bruna Oliveira, uma das funcionárias da empresa.

O Instituto Fecomércio de Pesquisas Empresariais do Amazonas (Ifpeam) realizou, no período de 10 a 14 de janeiro deste ano, levantamento sobre a percepção dos empresários quanto aos impactos das variantes de Covid-19 e de Influenza no Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amazonas. As informações obtidas são particularmente importantes para as empresas do comércio varejista, pois servem como balizador para tomada de decisões, de investimentos e planejamento de compras.

Expectativa

Uma pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amazonas (Fecomércio-AM), por meio do Ifpeam, realizada com 52 micro e pequenos empresários, apontou que os entrevistados responderam que o afastamento do colaborador (60%) e diminuição nas vendas (40%) são os dois principais impactos das variantes nas empresas do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amazonas.

As medidas adotadas pelo governo do Estado para conter o aumento de casos de Covid-19 (variante Ômicron) e de Influenza (variante H3N2) são consideradas prudentes e necessárias por 38% dos entrevistados. Alguns, 37%, concordam plenamente com as medidas e outros (25%) concordam parcialmente.

Quanto às expectativas econômicas para os próximos meses, a maioria dos empresários, 34%, vê um cenário preocupante enquanto 33% esperam um cenário desafiador, e 33% vêem um cenário positivo com aumento nas vendas.

Predominância da Ômicron

Nessa quarta-feira, 19, a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM) e a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), confirmaram que há a predominância em 93% da Ômicron nos casos confirmados de Covid-19 no Amazonas, entre os casos submetidos à sequenciamento genômico, confirmando a transmissão comunitária da variante no Estado.

A confirmação ocorreu após emissão de relatório de Vigilância Genômica produzido pelo Instituto Leônidas e Maria Deane (Fiocruz Amazônia), enviado à FVS-RCP, nessa quarta-feira. Das 589 amostras processadas, 547 casos da infecção foram confirmados pela linhagem Ômicron do novo coronavírus (SARS-CoV-2), sendo 504 em Manaus, 24 do interior do Amazonas e 19 de outros Estados.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO