28 de fevereiro de 2021

Com informações da assessoria

MANAUS – Em reunião com prefeitos das 13 cidades da Região Metropolitana de Manaus nessa segunda-feira, 15, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou que o Amazonas deve ser o primeiro Estado brasileiro a vacinar 100% toda a população contra a Covid-19. Na região, em meio ao surgimento de variantes mais agressivas do novo coronavírus, a imunização em massa tem sido amplamente defendida por especialistas.

De acordo com o ministro, durante reunião no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), onde funciona o comitê de crise instalado pelo Ministério da Saúde (MS) em Manaus, a aceleração do Plano Nacional de Imunização envolve uma força-tarefa com a participação dos Ministérios da Saúde e Defesa, além do governo do Amazonas e de prefeituras municipais. A vacinação para o público-alvo amazonense, a partir de 50 anos de idade, começa em 22 de fevereiro deste ano.

A meta é vacinar, em dez dias, todas as pessoas desse grupo nos 13 municípios (Itapiranga, Careiro da Várzea, Careiro Castanho, Autazes, Rio Preto da Eva, Silves, Presidente Figueiredo, Novo Airão, Manacapuru, Iranduba, Itacoatiara, Manaquiri e Manaus). Somente a capital deverá vacinar 267 mil pessoas, de acordo com dados divulgados pela prefeitura. 

“Os prefeitos são donos da vacinação e esse protagonismo não pode ser tirado deles. Mas, para fazer a aceleração, vamos envolver todos os meios possíveis do Estado e do Governo Federal, com todo o apoio necessário”, afirmou o ministro.  

Segundo Pazuello, a aceleração será possível porque até o dia 22 de fevereiro o Ministério da Saúde terá recebido dois lotes dos dois laboratórios que já estão produzindo vacinas, o Instituto Butantan (Coronavac/Sinovac) e a Fundação Osvaldo Cruz (AstraZêneca/Oxford). Logo no início de março, outros dois lotes serão entregues. Além das vacinas que são encaminhadas aos Estados por partilha proporcional, o governo vai destinar os 5% do Fundo de Imunização para o Amazonas. 

Na tarde dessa segunda-feira, o ministro chegou a se reunir com o comandante Militar da Amazônia, general Estevam Theophilo de Oliveira, para definir a operacionalização do plano. Marinha e Força Aérea Brasileira também deverão integrar a força-tarefa. 

Além dos postos já definidos pelas prefeituras para a vacinação, deverão também ser utilizados locais das zonas de votação eleitoral e o reforço de outros pontos que serão identificados e definidos durante o fechamento do plano. Todas as pessoas chamadas para atuar como voluntários deverão receber capacitação por parte da prefeitura e atuarão como vacinadores e apoio.