Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
16 de setembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Priscilla Peixoto – Da Cenarium

MANAUS – “É uma música com estilo totalmente diferente do que costumamos fazer aqui”, conta a cantora nortista Evelyn Félix, de apenas 22 anos, em entrevista nesta quinta-feira, 29, sobre o novo trabalho intitulado “Your Crime”. A canção composta por Evelyn tem previsão para estrear dia 12 de agosto nas principais plataformas digitais de streaming do Brasil e do Mundo.

O trabalho integra a lista de atuações artísticas da manauara que, além de cantora, também é atriz. Ela, inclusive, possui no currículo artístico participações em minisséries da TV Globo, como o trabalho audiovisual Aruanas – série em que amigas líderes de uma Organização Não Governamental (ONG) investigam uma quadrilha de crimes ambientais na Amazônia.

O single vai estar disponível dia 12 de agosto nas plataformas (Divulgação/Assessoria)

Influências e inspirações

Para o novo trabalho, a cantora revela que colocou uma “pegada mais internacional” com instrumentos “mais pesados” e letras em inglês. “Eu quero que ela tenha essa estilo mesmo porque é algo que consumo e acho que ainda falta no cenário local”, explica Evelyn.

“Your Crime” também vem acompanhada de um videoclipe gravado em Manaus roteirizado pelo irmão de Evelyn, Lucas Félix. A produção também leva pitadas estéticas influenciadas por cantores como Dua Lipa, Lady Gaga, Daft Punk, Kylie Minogue, além de referências locais admiradas pela cantora manauara.

“Consumo muito o trabalho desses cantores, mas sem dúvida tenho uma influência aqui da nossa terra, a Lorena Simpson. Futuramente pretendo fazer trabalhos com elas, como já fiz com outros cantores que admiro como Dan Stump, com quem tive a felicidade de compartilhar uma canção ‘Amar’ e Ramon Ítalo que me apoia também”, ressalta Félix.

“Síndrome do vira-lata”

A cantora lamenta o que ela chama de “síndrome do vira-lata”, hábito do público em valorizar as realizações artísticas de fora e confessa que a investida em um single em inglês, é uma tentativa de chamar a atenção para uma reflexão.

“Aqui temos esse problema, então tive essa ideia de fazer algo que pareça de fora, pra pararem e pensarem: olha como temos uma amazonense, uma menina com raízes indígenas e caboclas que pode fazer um trabalho de qualidade e não precisa ser de fora”.

Ela atenta para a falta de oportunidade na cidade para os talentos das músicas que lutam por um reconhecimento. Ela pontua que os incentivos tanto governamentais quanto privados (patrocínios) são escassos e tendem a se fechar para um só tipo de gênero musical.

Ela tem como o exemplo o próprio trabalho no qual ela investiu sozinha em toda a produção. “Investi no videoclipe desse single com as verbas do meu próprio bolso, um investimento alto que, de certa forma, empregou outras pessoas. É tudo uma engrenagem que gera renda e promove a cultura”, pontua a cantora.

“Sempre fui conhecida por gostar de remar contra maré, fazer diferente”, declara Evelyn (Divulgação/Assessoria)

Se inspirem e façam acontecer

Além do sucesso, ela almeja inspirar outras artistas locais em ousar e ir em busca de um espaço para mostrar a arte. Independentemente das dificuldades, ela acredita que o reconhecimento vem após a persistência e dedicação e aproveita para dar uma dica.

“Ousem, além de persistirem, façam diferente. O pouco que sou reconhecida é por conta das minhas apostas no diferente, no remar contra a maré, sem deixar de ser eu mesma. Não deem ouvidos para os que dizem que você não serve ou não vai chegar em algum lugar. Sofri muito, mas hoje só quero que as pessoas parem um pouco e escutem esse novo trabalho é o que eu amo e não vou deixar jamais isso sair das minhas veias, aguardem que vai ser lindo”, finaliza a cantora.