Com estreia de turnê, guitarrista da ‘Dire Straits Legacy’ se encanta com a Amazônia; ‘Manaus parece incrível’

Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS — O guitarrista Phil Palmer, da banda Dire Straits Legacy, se encantou com a Amazônia e disse que mal pode esperar para se apresentar novamente ao público brasileiro. Palmer e o grupo britânico chegaram nessa terça-feira, 10, em Manaus, onde estreia a turnê pelo País. Em entrevista exclusiva à REVISTA CENARIUM, o músico disse que a capital do Amazonas parece incrível e afirmou ser preciso fazer de tudo para proteger a floresta.

Leia também: Em retorno ao Brasil em 2022, ‘Dire Straits Legacy’ realiza show em Manaus

“É brilhante tocar em shows de novo. Sempre nos divertimos muito aqui no Brasil e dessa vez estamos aparecendo em alguns lugares pela primeira vez. Manaus parece incrível, chegamos hoje [terça-feira, 10]. Mal posso esperar para tocar para vocês”, declarou Philip Palmer.

Phil Palmer fez parte da Dire Straits original, entre 1990 e 1992 (Divulgação)

Após ter o show adiado em janeiro deste ano, por conta da pandemia da Covid-19, a Dire Straits Legacy se apresenta nesta quarta-feira, 11, às 19h30, no Studio 5 Shopping e Convenções, na zona Sul, marcando o retorno da banda ao Brasil. A banda é formada por ex-integrantes da tradicional Dire Straits, que fez história no rock mundial nos anos de 1980 e 1990 com os hits “Money for Nothing”, “So Far Away”, “Sultans of Swing”, “Walk of Life”, “Romeo and Juliet”, entre outros.

Veja também: Dire Straits Legacy adia shows que faria no Amazonas e no Pará

À CENARIUM, o guitarrista Phil Palmer, que trabalhou com a Dire Straits de 1990 a 1992, falou sobre o rico repertório que levou o grupo ser conhecido mundialmente e destacou quais canções não podem faltar no show realizado em Manaus.

“Adoramos o catálogo DS de canções do Mark [Knopfler]… Obras-primas como “Romeo and Juliet”, “Sultans”, “Money for nothing” e todos os seus favoritos”, salientou o guitarrista.

Questionado sobre Manaus ser centro de pautas ambientais, principalmente por ter a maior floresta do mundo, o britânico Phil Palmer, que já viajou o mundo com a banda, se mostrou a favor da proteção da Amazônia e disse que ela é fundamental para a existência de todo o planeta.

“A Floresta Amazônica é vital para o sistema ecológico mundial, fundamental para a existência do nosso planeta… devemos fazer tudo o que pudermos para protegê-la”, afirmou.

Sobre o engajamento da população e das autoridades políticas para defender o meio ambiente, o guitarrista reforçou que a banda apoia quaisquer incentivos políticos e humanitários para proteger a floresta.

Dire Straits Legacy

A Dire Straits Legacy celebra os 45 anos de uma das maiores bandas de todos os tempos com uma turnê pelo Brasil. Em Manaus, os ingressos estão à venda e podem ser comprados no site shopingressos.com ou nas lojas Ótica Diniz do Amazonas Shopping, Manauara Shopping, Sumaúma Shopping e Shopping Grande Circular.

Os setores de pista, frisa, arquibancada e mezanino variam de R$ 120 a R$ 200. Já a área especial “Brothers In Arms” e premium “Romeu and Juliet” custam de R$ 300 a R$ 400. Os valores são da meia-entrada solidária, os interessados devem levar 1kg de alimento não perecível no dia do evento juntamente com o ingresso para ter direito ao benefício. A faixa etária é 16 anos.

O grupo é um projeto em permanente evolução e que se afasta de reunião ou banda tributo. As canções são interpretadas ao vivo por Alan Clark (teclados), Phil Palmer (guitarra), Mel Collins (sax), Marco Caviglia (voz e guitarra), Primiano Dibiase (teclados), Jack Sonni (guitarra), John Giblin (baixo) e Cristiano Micalizzi (bateria).

Alguns desses músicos entraram na banda recentemente, como Alan Clark, em 2016. O tecladista fez parte do Dire Straits entre 1980 a 1985. Além dele, estão Phil Palmer e o saxofonista Mel Collins, membro do Dire Straits de 1983 a 1985 que tocou no histórico Alchemy Live Album e no EP Twisting By The Pool. O guitarrista Jack Sonni participou das gravações e turnê do álbum Brothers in Arms.

Veja, na íntegra, a entrevista com Phil Palmer. Texto traduzido pela assessoria e corrigido pelo professor de inglês e tradutor Bruno Sena, da Revista Cenarium:

CENARIUM: The band will perform a series of shows in its return to Brazil. How do you expect to meet the Brazilian public again after the release of shows around the country? (A banda vai realizar uma série de shows em seu retorno ao Brasil. Qual a expectativa de reencontrar o público brasileiro após a liberação de shows pelo País)

Phil Palmer: It’s brilliant to be playing concerts again… we have always had a great time here in Brasil and this time we are appearing in a few places for the first time… Manaus looks amazing we arrived today .. can’t wait to play for you!! (É brilhante tocar em shows de novo… Sempre nos divertimos muito aqui no Brasil e dessa vez estamos aparecendo em alguns lugares pela primeira vez… Manaus parece incrível, chegamos hoje… Mal posso esperar para tocar para vocês!!)

CENARIUM: Dire Straits Legacy has a very rich repertoire with songs known worldwide. What can not be missed in the concerts and what the public in Manaus can expect from the band’s presentation on May 11th? (A Dire Straits Legacy tem um repertório riquíssimo com músicas conhecidas mundialmente. O que não pode faltar nos shows e o que o público em Manaus pode esperar da apresentação da banda neste 11 de maio?)

Phil Palmer: We love the DS catalogue of Marks songs .. masterpieces like Romeo and Juliet , Sultans , Money for nothing and all your favourites … and ours! (Adoramos o catálogo DS de canções do Marks.. Obras-primas como “Romeo and Juliet”, “Sultans” , “Money for nothing” e todos os seus favoritos)

CENARIUM: Manaus is considered the capital of the Amazon and the center of environmental agendas, mainly because it has the largest forest in the world. What is the band’s vision about the city and the environmental issue? (Manaus é considerada a capital da Amazônia e centro de pautas ambientais, principalmente, por ter a maior floresta do mundo. Qual a visão da banda sobre a cidade e a questão ambiental?)

CENARIUM: In the band’s opinion, is it necessary to engage more people and political authorities to defend the environment? (Na opinião da banda, é preciso de mais engajamento da população e das autoridades políticas para defender o meio ambiente?)

Phil Palmer: The band supports any political and humanitarian incentives to protect the rain forest .. thank you beautiful Manaus. (A banda apoia quaisquer incentivos políticos e humanitários para proteger a floresta.. Obrigado, linda Manaus).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO