Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
19 de junho de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Victória Sales – Da Revista Cenarium

MANAUS – Com o intuito de chamar a atenção da população e dos órgãos competentes para os problemas recorrentes no meio ambiente e, principalmente, para a conservação dos recursos naturais, no dia 5 de junho, o qual comemoramos o Dia Mundial do Meio Ambiente, a REVISTA CENARIUM conversou com especialistas que chamam a atenção para a conservação dos recursos hídricos.

De acordo com o ambientalista, Carlos Durigan, a Amazônia, além da maior floresta tropical do planeta, é também a maior bacia hidrográfica. “Este conjunto de ecossistemas formam o lar de uma rica sociobiodiversidade, uma vez que aqui encontramos centenas de culturas humanas, além de 20% da biodiversidade do planeta. Daí a importância de conservarmos sua integridade”, destacou.

Durigan ressaltou ainda que além de uma vasta rede hidrográfica, ainda existem paisagens aquáticas e biodiversidade associada única, rios de águas brancas, pretas e claras dão uma dinâmica particular regida pelas chuvas e flutuações dos níveis de milhares de rios e igarapés. “Nestes ecossistemas abrigam milhares de espécies de peixes, sendo que várias delas constituem a fonte alimentar de maioria da população amazônica. Por isso, a importância de conservarmos nossas florestas e nossos rios, que dão sustentação à Amazônia como a conhecemos e sustenta milhões de pessoas em toda a região”, salientou.

O geólogo e especialista em recursos hídricos da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Izaias Nascimento, destaca que o corpo hídrico é fundamental para qualquer atividade econômica. “Ela consegue atingir todas as atividades, como agricultura, pecuária, as indústrias. Mas traz também a responsabilidade de fazer uma melhor gestão, pois ela tem uma grande representação na questão social”, destacou.

Recurso hídrico como uma das principais fontes da vida (Reprodução/Internet)

Cheia do rio Negro

Neste último domingo, 30, o rio Negro atingiu a marca histórica de 2012 com a marca de 29,97 centímetros. Essa é a segunda maior cheia da história dos últimos 118 anos, no total, cerca de 15 bairros e 24 mil pessoas foram afetados.

Mas foi nesta sexta-feira, 4, que a cota da enchente ultrapassou a meta já superada no último mês, chegando a 29,99 centímetros. Segundo o Serviço geológico do Brasil (CPRM), a seca pode ocorrer nos próximos dias. Com a subida da água a vida da população mudou completamente, mas ao mesmo tempo levou milhares de pessoas ao Centro de Manaus como uma forma de roteiro turístico.