Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
25 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações da assessoria

MANAUS – O filme “AjuriArtes: amazônidas fazedores”, dirigido por Leandro Tapajós, levou o prêmio de Melhor Documentário da 2ª Mostra Internacional Audiovisual [Em] Curtas – Variações em Sessões, realizada em Uberlândia.

O resultado da escolha do júri popular foi divulgado na quinta-feira, 2. O audiovisual foi gravado em Manaus e Codajás, no Amazonas. Ele aborda histórias de profissionais da dança, música, arte urbana, fotografia, cinema, literatura, artes plásticas, produção cultural e teatro.

A obra que mostra 10 fazedores culturais atuantes na Amazônia contemporânea foi exibida entre 20 a 28 de novembro, no Canal Oficial da Mostra no Youtube e no VRTChannel – um canal interativo de streaming – com exibição para vários países. O filme também ficará disponível no site do projeto AjuriArtes, a partir deste fim de semana.

“Em 25 minutos, o doc mostra 10 recortes sobre esse fazer amazônico atual que caminha entre o urbano e o ancestral. Conseguimos abordar sobre várias artes e temas bem pertinentes, como: a literatura LGBTQIA+, o samba contemporâneo, a arte urbana que exalta o feminino nas ruas de Manaus, a dança que tira jovens da ociosidade e vence barreiras nas margens do rio Solimões, entre outros”, disse o diretor Leandro Tapajós.

“É uma grande satisfação ver uma produção com a nossa cara, 100% feita com profissionais amazônidas, selecionada para uma mostra de fora e eleita pelo público que assistiu e votou. O propósito do projeto AjuriArtes, do qual o curta é fruto, de vencer barreiras geográficas e levar a arte amazônica além fronteiras vai se realizando”, acrescenta Tapajós.

Filmes premiados

As produções premiadas na 2ª Mostra Internacional Audiovisual [Em] Curtas foram: MELHOR DOCUMENTÁRIO: AjuriArtes – Amazônidas fazedores por Leandro Tapajós (2021); MELHOR FILME – MELHOR FILME AMBIENTAL – MELHOR ROTEIRO: [O vazio que atravessa], 2021 – por Fernando Moreira; MELHOR VIDEOPERFORMANCE – “GUAPAREY TUBA” por Gustavo Gomes e Vitor Cruz; MELHOR FILME PANDÊMICO – “Até a Raíz (2020), direção por: Sara Marchezini; MELHOR FOTOGRAFIA: Como recuperar o fôlego gritando (2021), por: Diego Nascimento & Murilo Gaules.

AjuriArtes: amazônidas fazedores participou da na Sessão 8 – Mostra de Docs. Para a qual também foram selecionados os filmes: Cristino Wapichana; Mihe’aka Voxené: Simoné Veyopé Ûti! (Abre Caminho: nossas câmeras chegaram!); e Taxa de Retorno.

Arte da Amazônia na web

O documentário é um dos resultados do projeto AjuriArtes, que foi agraciado com o prêmio Feliciano Lana, via Lei Aldir Blanc, em 2020. A iniciativa idealizada por Tapajós nasceu com propósito de divulgar fazedores culturais atuantes na Amazônia por meio de conteúdos na web.

Ao todo, para a primeira edição, foram produzidos 10 mini documentários, 10 ensaios fotográficos e 10 reportagens com os artistas selecionados. Além do curta exibido na 2ª Mostra Internacional Audiovisual [Em] Curtas.

A edição contou com fotos de Marcelo Ramos e Rodrigo Valle; reportagens de Silvio Lima, Diego Toledano e Camila Henriques; produção audiovisual da Lume Criativa.