Governo disponibiliza R$ 17 milhões para pagar indenizações de desligados da Seduc

Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – Profissionais temporários que foram desligados da Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc) no início de janeiro deste ano, vão começar a receber o pagamento das verbas indenizatórias a partir da próximo sexta-feira, 22. O anúncio foi feito na manhã desta segunda-feira, 18, pelo governador Wilson Lima (PSC).

Os pagamentos somam R$ 17,2 milhões e serão destinados para o total de 6.449 profissionais da educação. Segundo o governador, o processo indenizatório demora, normalmente, cerca de seis meses.

“Serão R$ 17 milhões investidos na economia e serão fundamentais para essas pessoas, num momento tão difícil como esse. E vale destacar, que quem está recebendo essa indenização e continua desempregado, tem direito, também, aos R$ 600 que estão sendo disponibilizados pelo Governo Federal”, disse Lima.

O governador aproveitou o momento, ainda, para fazer um apelo às crianças para que continuem acompanhando o programa “Aula em Casa”, que está disponibilizando conteúdo do ano letivo por meio da televisão para estudantes de todo estado.

“É fundamental para que a gente não tenha mais prejuízos no nosso ano letivo. Vamos trabalhar juntos, para que nós possamos sair o mair rápido possível dessa crise pandêmica. A nossa luta é pela vida”, finalizou.

Por meio de nota, o governo informou que desde o dia 20 de fevereiro, a Seduc havia iniciado os procedimentos de pagamentos das indenizações dos temporários e que, em situações normais, o processo demora de quatro a seis meses para a liberação na administração estadual, além de depender de trâmites internos junto à Secretaria de Estado de Administração e Gestão (Sead) e Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO