Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
15 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da Folhapress

SÃO PAULO – O Ministério de Minas e Energia informou na sexta-feira, 9, que a mistura de biodiesel no diesel será reduzida provisoriamente de 13% para 10%, após o 79º leilão para compra do biocombustível ter sido interrompido pelo governo diante da disparada do preço do produto.

A Federação do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis) diz que, mantidas as condições de preço do último leilão de biodiesel iniciado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), o biocombustível passaria a contribuir com R$ 0,67 por litro para o preço de bomba do diesel.

Isso porque as ofertas de venda no leilão chegaram a R$ 7,50 por litro, quase R$ 3 a mais do que o valor médio do último leilão, em fevereiro – valor que já representava alta de 56% em relação ao mesmo período de 2020.
A informação foi antecipada pelo jornal Folha de S.Paulo.

Segundo nota conjunta da pasta com o Ministério da Agricultura, apesar da expectativa de a safra brasileira de soja, principal matéria-prima do biodiesel, crescer para um recorde de aproximadamente 136 milhões neste ano, o mercado mundial continua “com forte demanda”, o que levou a uma reavaliação momentânea do percentual da mistura.

“Nesse contexto, e contando com a compreensão e contribuição do setor produtivo, fez-se necessário uma correção de rumo momentânea com relação ao percentual de mistura do biodiesel ao diesel comercializado no país”, disse o comunicado, notando que a decisão vale para o 79º leilão.

A ANP disse que está fazendo os preparativos para retomar o 79º leilão “o mais rapidamente possível”. Os ministérios, por sua vez, acrescentaram que o governo apoia o programa de biodiesel e espera “o quanto antes” a retomada da utilização da mistura nos patamares estabelecidos pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) – a mistura de 13% passou a valer em março, com uma alta de um ponto percentual ante o patamar prévio.

“O governo trabalha pelo fortalecimento e consolidação do mercado brasileiro dos biocombustíveis, porém em um ambiente que permita a competitividade, buscando a garantia do abastecimento nacional e preservando o interesse do consumidor quanto a preço, qualidade e oferta do produto”, disse Minas e Energia.

Essa não é a primeira vez que o governo reduz temporariamente a mistura. A diferença é que o Brasil, maior produtor e exportador de soja, está em fase de colheita, com grandes estoques. Em agosto, quando a ANP cancelou um certame, o país estava na entressafra. Naquela oportunidade, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, anunciou a redução da mistura, citando problemas na oferta de matéria-prima.

O biodiesel brasileiro tem no óleo de soja sua maior parcela de matéria-prima, com cerca de 71%, sendo o restante oriundo de sebo bovino e outros óleos. Em nota na semana passada, a Companhia Nacional do Abastecimento (Conab) observou que, apesar da safra recorde da oleaginosa, os preços do produto no mercado interno registram alta de mais de 90% na comparação anual, na esteira de cotações mais altas no exterior e pelo dólar forte frente ao real.

Na véspera, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) afirmou que a interrupção precoce do 79º leilão de biodiesel impediu que os preços do biocombustível caíssem com o desenvolvimento do certame. Na sexta a Petrobras anunciou corte de 2,2% no preço do diesel em suas refinarias, ou R$ 0,08% por litro.

O corte acompanha a variação das cotações internacionais e a queda do dólar. Além do biocombustível, outro fator de pressão sobre o diesel é o fim, em maio, do período de isenção de impostos federais. Uma terceira fonte de pressão vem da carga tributária: pela segunda vez após a isenção de impostos federais, estados elevaram no início do mês o preço de referência para a cobrança de ICMS sobre o combustível.