Instituto lança seleção de filmes e livros para uma educação antirracista

Com informações do Portal Alma Preta

BAHIA – Apesar das leis que tornam obrigatório o ensino de história das culturas afro-brasileiras, africanas e indígenas (Leis 10.639/02 e 11.645/08), muitas escolas pelo Brasil ainda seguem um modelo criado, historicamente, a partir do ideal de superioridade racial branca. É o que aponta a recente publicação para uma educação antirracista lançada pelo Instituto Alana em parceria com a plataforma Porvir.

Para incidir sobre essa realidade escolar e promover uma educação para as relações étnico-raciais e antirracista, nas escolas, o material de apoio “Recriar a escola sob a perspectiva das relações étnico-raciais” oferece recursos para formação de educadores, a partir da realidade e de exemplos das escolas de educação básica, em diversas regiões do Brasil.

“Às vésperas de completar 20 anos da promulgação da LDB 10.639/03, é necessário alinhar compromisso ético e intencionalidade pedagógica para transformar nossas escolas em espaços de garantia de direitos à educação plena. Isso se dá a partir do enfrentamento ao racismo institucional e à ampliação de conhecimento”, diz Clelia Rosa, pedagoga e mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Desenvolvido a partir da jornada formativa gratuita “No Chão da Escola“, realizada em julho de 2021, o material apresenta uma curadoria de filmes, livros e obras para abordar a questão racial na escola, para trabalhar relações raciais para crianças e adolescentes e auxiliar na formação de educadores em relações étnico-raciais.

A pedagoga e mestre em educação pela Universidade de São Paulo (USP), Luciana Alves ressalta que houve uma preocupação para que a curadoria de filmes e livros trouxesse histórias sobre pessoas negras por uma perspectiva positiva e com abordagens de outras narrativas possíveis em questões corriqueiras e do cotidiano.

“Quando a criança tem acesso a essas outras narrativas sobre ser negro, sobre ser indígena, ela tem acesso a um número de possibilidades. Então, a importância do material é justamente dar um subsídio a mais para que o professor e a professora possa trabalhar com elas de uma forma que elas consigam compreender diferentes modos de estar e ser a partir da literatura, do cinema, da animação e de todo o universo de produção artística”, destaca a pedagoga.

A Alma Preta Jornalismo separou quatro filmes e quatro livros, indicados na publicação, voltados à ampliação de repertório da comunidade escolar, com reflexões sobre a história e a cultura africana e afro-brasileira e à continuidade do processo formativo dos educadores. Todos podem ser assistidos, gratuitamente, na plataforma Videocamp.

Eu, Oxum (23 min.)

O documentário “Eu, Oxum”, dirigido e roteirizado por Héloa e sua mãe Martha Sales, conta a sua história e sua relação com a orixá Oxum, e de cinco mulheres “filhas”. Entre elas, está a Yalorixá Maria José de Santana, responsável pelo “Ilê Axé Omin Mafé, mais conhecida como “Mãe Bequinha”, que, também conta sua história, como a mais antiga “filha de Oxum”, do município de Riachuelo, localizado na região do Vale do Cotinguiba (SE).

Eu Oxum

Nadir da Mussuca (25 min.)

Nadir de Mussuca

documentário retrata a rica história de Nadir dos Santos ou, simplesmente, Nadir da Mussuca, nome que sintetiza narrativas afroculturais de Sergipe. Personalidade da comunidade quilombola Mussuca, do município de Laranjeiras, essa mulher, negra e artista, transcende seu território de cantora do Samba de Pareia, de São Gonçalo e do Reisado.

Proibido pisar na grama (12 min.)

Proibido pisar na grama

É um curta-documentário que aborda as questões e posições que o racismo estrutural e institucional impõe à população negra brasileira, como o condicionamento ao trabalho braçal, a criminalidade e a falta de acesso à educação. É também uma mensagem de resistência. 

Terreiros do brincar (52 min.)

Terreiros de brincar

filme retrata a participação de crianças em vários grupos de manifestações populares, em quatro Estados brasileiros, e a sua relação com um brincar coletivo, intergeracional e sagrado. 

A África recontada para crianças — Avani Souza Silva

A África recontada para crianças

Fábulas de Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe são recontadas pela pesquisadora Avani Souza Silva neste livro. As histórias são complementadas por músicas, brincadeiras, descrições de gastronomia e vestimentas dos países africanos.

Da minha janela — Otávio Júnior e Vanina Starkoff

Da minha janela

Olhando de sua janela, em uma favela do Rio de Janeiro, o autor narra tudo o que vê: cores, animais, pessoas. De maneira sensível e com belas ilustrações, o livro de estreia de Otávio Júnior convida para um exercício de olhar ao redor e perceber o mundo para além dos muros de casa. 

Almanaque pedagógico afro-brasileiro — Rosa Margarida de Carvalho Rocha

Almanaque pedagógico

Com diferentes atividades e jogos, além de um calendário com datas importantes relativas aos temas afro-brasileiros, a autora apresenta, aos professores, estratégias cuidadosas para inserir os conteúdos afro-brasileiros na sala de aula.

Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade — Bell Hooks

Ensinando a transgredir

Escritora, professora e intelectual negra, Bell Hooks escreve sobre um novo tipo de educação que seja capaz de ensinar, aos alunos, transgredir as fronteiras raciais, sexuais e de classe.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO