Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
29 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações do InfoGlobo

RIO DE JANEIRO – Os moradores de Pedra Branca do Amapari, no Amapá, chegaram, nesta segunda-feira, 6, ao décimo dia com desabastecimento de água potável. O problema começou no dia 27 de novembro, quando uma contaminação, cuja causa ainda não foi esclarecida, começou a matar os animais. Desde então, mais de duas toneladas de peixes, répteis, aves e mamíferos morreram.

Amostras de água foram coletadas para a realização de exames. O primeiro deles, contratado pela Polícia Técnico-Científica (Politec) do Amapá deu resultado negativo para cianeto. O composto químico é utilizado por garimpeiros legais e ilegais, e também por mineradoras que atuam na região. A substância pode causar a morte e é usada na exploração de ouro.

Apesar do resultado negativo, a prefeita de Pedra Branca do Amapari, Beth Pelaes (DEM), optou por manter o fornecimento de água suspenso. De acordo com ela, o laudo do laboratório contratado pela Politec não era conclusivo.

“A Politec não deu garantias de que a água pode ser distribuída a mais de 10 mil pessoas. Ela não se responsabiliza se acontecer algo para a população. Então, eu não posso liberar. É muita responsabilidade, são muitas vidas. Os problemas podem aparecer a médio e longo prazo. Imagina se as pessoas começam a adquirir doenças. É muito grave, sobretudo se for cianeto”, disse Pelaes.

Nesta terça-feira, 7, um novo laudo deve ficar pronto. O exame foi encomendado ao Instituto Evandro Chagas, órgão vinculado ao Ministério da Saúde e situado em Belém (PA). Por orientação do Ministério Público Estadual (MP), a prefeitura também encomendou um terceiro laudo de um laboratório externo. Este último será realizado em Minas Gerais e tem prazo de 15 dias para ficar pronto.

Desde o início da contaminação, três caminhões-pipa fazem a distribuição de água pela cidade. Mas, nem assim, a população se sente segura, pois há desconfiança sobre a procedência da carga do veículo. “A população já está sem paciência, muitos querem água mineral, para consumo. Mas, eles também estão entendendo a gravidade da situação e as nossas decisões”, disse a prefeita.

Na área mais afetada pela contaminação os ribeirinhos não podem mais pescar. E os peixes são a base da alimentação. Com a proibição da pesca, os pescadores estão recebendo cestas básicas. Na última sexta-feira, 3, durante uma visita à Comunidade do Xivete, nas margens do Rio Amapari, um ribeirinho relatou a uma equipe da prefeitura que quase se contaminou com a água. Orias Ferreira da Silva, de 72 anos, estava tratando de peixes e já havia dado parte do pescado aos patos. Pouco depois, as aves começaram a morrer.

“Estava tratando dos peixes para cozinhar, os menores dei para minha criação de patos. Não estava sabendo de nada”, disse Silva. A expectativa é de que a causa do problema seja conhecida nesta terça-feira, com o resultado do exame laboratorial feito pelo Instituto Evandro Chagas.