Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
26 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Victória Sales – Da Cenarium

MANAUS – O aumento de 30% no preço do açaí vem prejudicando a alimentação dos paraenses. O fruto é um dos principais alimentos que compõem a cadeia alimentar dos moradores do Estado. Segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 30, pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA) o preço do litro do açaí comercializado em Belém teve alta de mais de 28% em 2021, entre janeiro e maio.

De acordo com o economista Origenes Martins, o açaí é um exemplo típico da agricultura do pequeno e médio agricultor, com produtos regionais que têm todo o potencial para alavancar a economia da região. “Em relação ao paraense, o açaí não é somente o principal alimento, mas uma das principais fontes de renda”, destacou.

Origenes ressalta ainda que esse aumento de preço precisa ser analisado se foi realmente uma consequência dos fatores naturais como a enchente ou se sofreu influências externas. “Eu fico bastante chateado pela falta de uma política pública que tivesse protegido esse setor contra problemas pontuais e levasse um produto tão importante para a região, a um crescimento merecido”, relatou o economista.

Cacho de açaí (Fábio Sian Martins/Embrapa)

Comercialização

O economista explica ainda que na questão da comercialização, por exemplo, certamente haverá uma diminuição de demanda e como consequência do processo econômico vai trazer dificuldade para os produtores. “Além de terem diminuído o volume de venda, têm as dívidas que se acumulam e dificultam o processo de continuidade produtiva. O Sebrae tem mostrado a dificuldade dos pequenos produtores que se veem na dificuldade de escoamento de sua produção, contudo, tem seus tributos e custos fixos sem saída para quitar”, afirmou.

Pesquisa

Segundo o proprietário da empresa Açaí Brasil Pará, Jonas Santos, o preço sobe e desce constantemente no mercado. “Já estamos acostumados com esse cenário, mas o mercado não absorve tanto o aumento, o que força ainda mais o preço para baixo novamente”, salientou.

Ainda de acordo com o levantamento, o preço dos produtos vem variando em diversos locais. Identificado pelo Dieese-PA, no final de maio, o litro do produto foi encontrado com valores entre R$ 16 e R$ 22 nas feiras e nos supermercados com o valor em média de R$ 24. Já o açaí grosso, como é conhecido, que nada mais é do que a polpa extraída com a adição de água, é encontrado nos supermercados com média de R$ 34.

A pesquisa mostra ainda que o litro do açaí comercializado em dezembro de 2020, na classificação grosso, custava cerca de R$ 27, já no mês de janeiro de 2021, o produto passou a ser cobrado no valor de R$ 32,40, em abril, foi comercializado por R$ 32,69 e, em julho, com preço de R$ 32,81.

A iguaria pode acompanhar carnes magras como peixes (Açaí da Barra/Divulgação)

Comércio

O Estado do Pará produz cerca de 95% do açaí no Brasil e tem quase 50 empresas que comercializam o fruto para outros Estado, com isso, a economia do Estado gira entorno de US$ 1,5 bilhão, o que equivale a somente 3% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado, segundo informou o Sindicato das Indústrias de Frutas e Derivados (Sindfrutas).

De todo o açaí produzido, 60% fica no Estado, 35% segue para o Brasil, e somente 5% vai para o exterior. O segundo maior produtor do açaí é o Estado do Amazonas, com 52 mil toneladas, e em terceiro lugar o Estado de Roraima, com mais de 3 mil toneladas, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Consumo

De acordo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o açaí foi o fruto mais consumido no Brasil entre 2017 e 2018. A Região Norte chama atenção no ranking, saindo de 9% para 12,4%, enquanto as outras regiões estão somente com um aumento de 1% na média. Ainda segundo o estudo, as áreas rurais são os locais onde as pessoas mais consomem o produto.

O consumo por pessoa, em gramas, é de aproximadamente 4 gramas/dia, enquanto nas partes interioranas o consumo é registrado com 9,1 gramas/dia. Em riquezas nutricionais, o açaí é rico em fibras, o qual é importante para o funcionamento do intestino, além de ser um importante item no combate ao câncer do cólon. Um litro do produto contém cerca de 3,1g de fibras.