Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
28 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS – O pajubá é conhecido como o dialeto da comunidade LGBTQIA+, uma linguagem que reúne apropriações linguísticas muito usadas até mesmo por quem não faz parte da comunidade colorida. Por essa razão, um especialista detalha nesta quarta-feira, 31, a importância e o significado dos termos.

Palavras como “Nhaí”, “Mona”, “yag”, deixe de “equê” estão inclusas no dicionário gay. No entanto, parte desses termos tem origem nos grupos étnico-linguísticos africanos, iorubá e nagô. Atualmente, são falados abertamente, mas nem sempre foi assim, nos tempos da ditadura civil-militar de 1964, a linguagem era usada para enfrentar repressões policiais ou até mesmo se referir a uma presença indesejada no local.

Para o doutor em linguística e psicólogo Sérgio Freire, a linguagem é uma forma de se comunicar identitária entre a comunidade que, na maioria das vezes, é marginalizada pela sociedade. “É uma forma de se identificar e identificar o outro. Pela linguagem, eu reconheço quem é dos meus e mantenho longe quem me ameaça. Um grupo se sustenta ou se dilui pela importância que atribui à linguagem que fala”, explica Sérgio.

Aderindo à linguagem

Com o passar do tempo, a tendência que esses termos sejam mais e mais usados por causa da luta política do grupo. Sérgio explica que o uso dos termos da comunidade LGBT serve como ponto positivo para o convívio e interação por outros grupos sociais.

“Apesar de ser instrumento identitário, essa linguagem acaba transbordando para além do grupo, à medida que a fala desses grupos vão conquistando mais espaço e legitimidade social. Expressões tipicamente usadas por LGBTQIA+ que passam a ser incorporadas por outros grupos são um bom termômetro da ampliação do espaço social que esse grupo ocupa”, ressalta o linguista.

Mas os termos ainda despertam muitas dúvidas naqueles que não têm muito contato com o linguajar “diferentão” que já chegou a ser tema de questão do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) de 2018. Por isso, confira palavras comuns que provavelmente você já ouviu em algum momento:

Alguns significados do chamado “dialeto secreto” dos gays (Reprodução/ Samuelknf)

Edição: Carolina Givoni