6 de março de 2021

Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS- Na manhã desta terça-feira, 02, um homem conhecido como Wiliam M.C. foi preso no bairro Zumbi dos Palmares, Zona Leste de Manaus. A prisão foi cumprida após mandado de prisão pelo crime de homicídio, ocorrido em outubro do ano passado.

Wiliam seria suspeito de participar do assassinato de um ex-funcionário, um homem identificado como Anderson da Silva de 32 anos, morto com disparos de arma de fogo. Além de Wiliam, Luan Miranda de Melo, 29 anos, também estaria envolvido no crime e está foragido.  

Segundo o Delegado do 25º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Márcio André, Anderson era primo de Luan e também patrão da vítima e no dia crime a vítima estava realizando um serviço para a nova empresa na qual trabalhava, quando foi abordado pelo primo e o ex-patrão, que o questionaram sobre a prestação dos serviços.

“Ao que parece é que a vítima estaria roubando os clientes da antiga empresa que também era do ramo de telecomunicação. O que consta é que ele teria pedido demissão e por conta disso sofria ameaças pelos ex-patrões”, explicou o delegado do 25º DIP.

Anderson morreu após ser atingido por três tiros e Willian foi capturado pela polícia depois de informações que ele estaria próximo à área do 25º DIP. Segundo o delegado, Wiliam nega a participação no crime. O suspeito foi encaminhado à Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) para os procedimentos cabíveis e deve permanecer à disposição da Justiça.

Outro caso

O coordenador de estoque de uma ferragista de Goiânia conta que correu para fugir dos disparos feitos contra ele por um ex-funcionário da empresa. Momentos antes, o atirador matou o gerente e baleou outro empregado. O coordenador acredita que era o segundo alvo do homem, que, de acordo com a polícia, não aceitava ter sido demitido e se matou após os disparos.

Segundo a polícia, Marciano Leodorico da Silva trabalhou na empresa por mais de 10 anos, mas foi demitido há dois anos. Ele chegou a voltar a trabalhar por alguns meses como motorista no mesmo lugar, mas depois saiu.

Na quarta-feira, 16, ele foi até o local, entrou calmamente, foi até a sala do gerente, José Edilson da Silva, e o executou. Um outro funcionário que estava na sala ainda tentou impedir o crime, mas foi baleado na perna. Ele recebeu atendimento no hospital, mas já recebeu alta. Em seguida, foi à procura do coordenador de estoque.

“Ele desceu lá para a minha sala, que fica a uns 60 metros. Só que eu vi, já estava fora da minha sala, tanto é que ele, provavelmente, ia me matar. Corri, olhei para trás e o vi sacando a arma, dando dois tiros para o meu rumo. Eu agachei. Foi desesperador, eu não sabia o que estava acontecendo”, contou.

O coordenador relata que saiu da empresa, correu pela rua e se escondeu em uma oficina. Ele afirma só saiu após receber a notícia de que o atirador tinha se matado.