Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
15 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da assessoria

MANAUS – Com o objetivo de capacitar e gerar renda para as mulheres beneficiárias do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim), a Unidade Gestora de Projetos Especiais (UGPE), em parceria com a Associação das Donas de Casas do Estado do Amazonas (Adcea), formalizaram, nesta semana, uma parceria para a divulgação do projeto da Adcea, intitulado “Potência Feminina”, voltado para mulheres chefes de famílias e artesãs moradoras dos residenciais do Prosamim.

O projeto tem como pilares: empreendedorismo feminino, empregabilidade e tecnologia; e conta com a colaboração do Instituto Rede Mulher Empreendedora, visando oportunizar alternativas de negócios, geração de renda e empoderamento para mulheres a partir dos 16 anos.

Durante a apresentação na sede da UGPE, estiveram presentes as mulheres, líderes comunitárias, artesãs do Prosamim e da comunidade da Sharp. O Social da UGPE e a Adcea alinharam uma proposta de cronograma para início das capacitações, como também, apresentaram as convidadas à plataforma de ensino. A previsão é que as capacitações começam no mês de maio.

As capacitações vão ser disponibilizadas de duas maneiras: online, para mulheres que possuem dispositivos móveis, notebooks, computadores e acesso à internet em suas residências; e presencial, no auditório da sede da UGPE e nos elos do Prosamim, para as mulheres que não têm condições favoráveis para acompanhar as aulas de casa.

Melhoria de vida 

Artesã desde os 12 anos, Silvana Mendes, integrante do “SOS Sharp”, um grupo que tem o objetivo de unir forças e representar os moradores da comunidade da Sharp, acredita que o projeto vai garantir melhores condições de vida para ela e para todas as mulheres de sua comunidade.

“A minha expectativa é de aprendizado, colaboração e ajudar no que for preciso para crescer nesse âmbito do artesanato, tanto para o meu conhecimento, quanto para ajudar as pessoas da minha comunidade ou em qualquer lugar que eu esteja”, conta Mendes.

A subcoordenadora social da UGPE, Viviane Dutra, afirma que os projetos executados pela unidade já trazem, em seu histórico de atuação, um trabalho forte direcionado as mulheres, chefes de família e artesãs do programa.

“As nossas práticas visam incentivar a essas mães, líderes de famílias e donas de casa, a busca por aprendizado e geração atividades socioeconômicas”, afirmou, Dutra.

A parceria entre a UGPE e a Adcea acontece para que o fortalecimento das ações possibilite a retomada de pequenos negócios geridos por mulheres e que sofreram impactos devido a pandemia de Covid-19, além de viabilizar a abertura de novos negócios e a geração de renda.

De acordo com a coordenadora da Adcea, Mariza Sato, as oficinas de empreendedorismo, empregabilidade e tecnologia garantem alternativas para que as mulheres consigam adquirir conhecimento e possam continuar à frente de suas famílias.

“A UGPE, junto com a Adcea, integra essa parceria para possibilitar a garantia de participação dessas mulheres nas oficinas do projeto. O que nós queremos enquanto Adcea é possibilitar o maior número de mulheres, para que elas participem das oficinas. Esse processo de empoderamento também visa viabilizar alternativas de negócios”, explica a coordenadora.