Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
16 de setembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Bruno Pacheco – Da Cenarium

MANAUS – O Ministério Público do Amazonas (MPAM) instaurou um procedimento investigatório criminal nesta quinta-feira, 29, para investigar as circunstâncias da morte do adolescente Gabriel Lima dos Santos, de 12 anos de idade, encontrado sem vida em um rio no distrito de Cacau Pirera, em Iranduba, na Região Metropolitana de Manaus (RMM), após uma ação policial.

De acordo com o promotor de Justiça, Leonardo Abinader Nobre, da 2ª Promotoria de Justiça de Iranduba, serão coletadas provas sobre o caso a partir de agora, por meio de depoimentos de testemunhas que devem ser ouvidas pelo órgão ministerial.

“A partir de agora, procederemos a instrução desse procedimento, coletando informações, provas, ouvindo testemunha, ouvindo os envolvidos e esperamos, dentro em breve, dar uma resposta à sociedade irandubense”, destacou o promotor Leonardo Nobre.

Promotor de Justiça, Leonardo Abinader Nobre

Relembre o caso

O menino Gabriel Santos, de apenas 12 anos, foi encontrado morto, com marcas de tiros pelo corpo, em um rio nessa quarta-feira, 28, no distrito de Cacau Pirera, em Iranduba. Segundo a família do adolescente, ele estava almoçando, quando policiais realizaram uma abordagem à residência em que eles estavam. Segundo o Instituto Médico Legal (IML), a causa do óbito do jovem foi anemia hemorrágica aguda, consequência de agressão “com arma de fogo”.

Na manhã desta quinta-feira, 29, o corpo de Gabriel foi enterrado, após um velório marcado por comoção e revolta de familiares. A mãe do adolescente, aos prantos, Gleice Lima pediu por Justiça durante o funeral. “Eu só quero justiça, o meu filho tinha só 12 anos”, implorou ela.

A ação policial ocorreu por volta das 13h na terça-feira, 27, na rua 7 do bairro Mutirão. A família estava reunida para almoçar quando policiais realizaram a abordagem à residência. Gabriel caiu no rio e o corpo foi encontrado na água, com marcas que a família alega serem de tiros disparados pela polícia. De acordo com o laudo do Instituto Médico Legal (IML), o garoto morreu no local, e a causa da morte foi anemia hemorrágica aguda, consequência de “agressão com arma de fogo”.