Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
20 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Luciana Bezerra — Da Revista Cenarium*

MANAUS — A carioca Gisele Barreto Fetterman, de 38 anos, foi morar nos Estados Unidos ainda criança com a mãe. Nesse domingo, 11, a brasileira que, atualmente, é a segunda-dama da Pensilvânia por ser casada com o vice-governador do Estado americano, o democrata John Fetterman, compartilhou em suas redes sociais a agressão racista que sofreu ao sair de um supermercado na região, onde mora com a família.

De acordo com o vídeo divulgado por Gisele nas redes sociais, uma mulher abaixa a máscara e xinga a brasileira de “nigger”, [“negro”, em português]. O termo é considerado um insulto extremamente racista nos Estados Unidos. Segundo disse na postagem a segunda-dama da Pensilvênia, os insultos começaram quando ela ainda estava fazendo compras no mercado.

“Ali está aquela negra casada com Fetterman. Você não pertence aqui. Ninguém te quer aqui”, conta Gisele que também foi chamada de ladra pela agressora.

Em seguida, a mulher acompanhou e foi xingando a brasileira até o estacionamento. Mas infelizmente, Gisele não conseguiu filmar todo o insulto. “Só consegui pegar o finalzinho. Não me dou bem com confrontos, sou super ‘baby’, não sou forte, fico supernervosa e choro”, diz.

Em entrevista ao jornal americano The Washington Post, a brasileira afirmou que queria apenas sair sozinha como uma pessoa normal, já que está sempre cercada por seguranças e o supermercado fica próximo a sua residência. “Queria sair sozinha para me sentir um pouco normal, ir ao mercado”, conta à reportagem.

Ainda durante a entrevista, a carioca destaca que este foi o primeiro episódio de racismo sofrido frente a frente e em público. Segundo Gisele, os ataques xenofóbicos e raciais são constantes nas redes sociais. “Recebo muitas mensagens de ‘volte para o seu País’ ou que minhas sobrancelhas são muito étnica. Com esse tipo de coisa estou acostumada”.

Agressora identificada

Na ocasião por está muito nervosa, Gisele disse à reportagem que conseguiu anotar a placa do carro da agressora e passou para os seus seguranças. “Mandei para os seguranças, e eles já identificaram quem é”. De acordo com Gisele, há uma investigação em andamento agora.

No Twitter, a brasileira postou que ama muito os Estados Unidos, mas que o País está muito dividido neste momento.

Trajetória

Gisele mudou para os Estados Unidos com o irmão e a mães, aos 8 anos fugindo da violência do Rio de Janeiro. No Brasil, a carioca morava em Jacarepaguá, bairro localizado na zona oeste da ‘cidade maravilhosa’.

Gisele Fetterman e os três filhos do casal (Divulgação/Instagram)

Em 2016, a brasileira escreveu uma reportagem contando a saga da mãe, que deixou o Brasil em busca de uma vida melhor para elas e o irmão. De acordo com Gisele, de nutricionista no Brasil, a mãe virou faxineira nos EUA por décadas.

No entanto, a primeira-dama da Pensilvânia viveu nos EUA por dez anos sem documentos legais, considerada na época, como clandestina. Gisele tornou-se cidadã americana apenas em 2004, quando conseguiu o Green Card.

Anos depois, Gisele se casou com John Fetterman, político proeminente do Partido Democrata na Pensilvânia e atual vice-governador do Estado. Atualmente ela é envolvida em causas sociais na Pensilvânia e tem três filhos.

(*) Com informação das redes sociais