Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
24 de julho de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Marcela Leiros – Da Revista Cenarium

MANAUS – Um pirarucu de 2,9 metros e cerca de 220 kg foi pescado no Amazonas e pode ser considerado o maior do mundo. O “bacalhau da Amazônia” foi capturado no dia 12 de novembro de 2020 na despesca do manejo do pirarucu na comunidade ilha da Mameloca, no município de Japurá, a 747 quilômetros de Manaus. Congelado desde então, o destino do peixe está sendo discutido por órgãos estaduais e instituições.

De acordo com um portal de notícias no Estado, apenas a cabeça do peixe mede 69 centímetros. A nadadeira peitoral tem 40 centímetros de comprimento por 30 centímetros de largura e a cauda possui 75 centímetros de comprimento. A idade dele é estimada em 30 anos. O peso do pirarucu, sem vísceras e congelado, chegou a 220 kg.

Armazenado há 7 meses, o destino do peixe está sendo organizado pela Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror) que solicitou apoio de representantes da comunidade científica como o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

O pirarucu é o maior peixe de escama de água doce do mundo e exclusivo da Bacia Amazônica. Apesar de ser uma espécie resistente, os ninhos formados durante a seca ficam expostos e tornam o peixe bastante vulnerável à ação dos pescadores. O peixe se difere dos demais animais da espécie, que têm em média 2 metros e costumam chegar a até 250 quilos.

Pirarucu sendo medido na altura (Euzivaldo Queiroz/BNC Amazonas)

Na Amazônia

Um “peixe dinossauro” com magnitude parecida com o capturado no Amazonas foi pescado em Rondônia, em abril deste ano. O pescador Fábio Fregona fisgou um peixe desta espécie com cerca de 2 m de comprimento e com aproximadamente 100 kg, em uma das partes alagadas pela cheia do rio Madeira, na região de Jaci-Paraná.

Risco de extinção

A espécie corre risco de extinção devido à pesca predatória praticada ao longo de muitos anos. A reprodução natural do peixe é insuficiente para repor o número de pirarucus pescados. A exploração não sustentável fez com que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) criasse em 2004 uma Instrução Normativa que regulamenta a pesca do pirarucu na Amazônia, proibindo-a em alguns meses do ano e estabelecendo tamanhos mínimos para pesca e comercialização da espécie.