Quase 20% dos biomas brasileiros pegou fogo nas últimas três décadas, revela MapBiomas

Iury Lima – Da Cenarium

VILHENA (RO) – O País que abriga a maior biodiversidade do planeta queimou uma Inglaterra por ano em quase quatro décadas, desde 1985, dentro do próprio território. A informação é do Projeto de Mapeamento Anual do Uso e Cobertura da Terra no Brasil (MapBiomas), uma iniciativa do Observatório do Clima que monitora, entre outros problemas ambientais, o desmatamento e ocorrência do fogo no País. O rastro de destruição sobre a vegetação de todos os biomas até 2020 foi de 1,67 milhão de km², o equivalente a 19,6% ou a um quinto de toda a área da nação.

Nesses 36 anos estudados, 150,9 mil km² por ano, em média, foram tragados pelo fogo em todo o território nacional, acendendo o alerta para ativistas e especialistas em defesa do meio ambiente. O Pantanal foi o bioma mais afetado, com 57% da área queimada. Também em situação crítica, logo atrás, estão o Cerrado e a Amazônia.

A Plataforma MapBiomas analisou o avanço do fogo entre os anos de 1985 e 2020. (Reprodução/Divulgação)

Brasil em chamas

O MapBiomas foi criado em 2015 e é formado por uma rede de colaboradores, entre especialistas nos biomas brasileiros, usos da terra, sensoriamento remoto e outras técnicas que, integradas, resultam na produção de mapas anuais sobre o território de todo o País.

O levantamento inédito analisou 150 mil imagens captadas por três satélites e reuniu mais de 100 terabytes de informações, revelando que 1,8% do território brasileiro sucumbe às queimadas ano após ano.

“Embora os grandes picos de área queimada no Brasil tenham ocorrido principalmente em anos impactados por eventos de seca extrema (1987, 1988, 1993, 1998, 1999, 2007, 2010, 2017), altas taxas de desmatamento, principalmente antes de 2005 e depois de 2019, tiveram um grande impacto no aumento da área queimada nesses períodos. A estação seca, entre julho e outubro, concentra 83% das queimadas e incêndios no País”, destaca um trecho do relatório.

Biomas em degradação

Ao todo, 60% dos biomas analisados queimaram mais de uma vez entre 1985 e 2020 e de tudo que foi queimado neste período, 65% do território atingido representa áreas de vegetação nativa, estando principalmente relacionados à conversão de floresta em pasto, sendo que as maiores ocorrências foram identificadas nos Estados de Mato Grosso, Pará e Tocantins, ambos inseridos na Amazônia Legal. Já o Pantanal, o bioma mais devastado pelo fogo nesta série histórica, perdeu 57% de sua área total.

Veja o ranking de devastação pelo fogo entre os biomas brasileiros:

PosiçãoBiomaÁrea queimada (em km²)Área queimada (em %)
Pantanal86.40357,5%
Cerrado733.85136%
Amazônia690.02816,04%
Caatinga88.55010,5%
Mata Atlântica71.6146,5%
Pampa2.6361,5% 
Fonte: MapBiomas

“Intensificou, principalmente, na década de 90, mas nos últimos anos deu uma subida e a gente consegue ver o efeito dos fenômenos climáticos para o Brasil, como o El Niño, o aquecimento das águas do Atlântico Norte, entre outros”, explicou nesta segunda-feira, 16, a pesquisadora e coordenadora do MapBiomas Fogo, Ane Alencar.

Já o Cerrado e a Amazônia representam, juntos, 85% da área queimada nesses quase 40 anos.

“Quando a gente olha para os biomas, o Cerrado e a Amazônia foram os que mais queimaram no País. Apesar de esses dois terem sido os biomas que mais queimaram em termos de área absoluta, o Pantanal queimou 57,5% do seu território nesse período. Então, se ficamos assustados, com o que ocorreu com ele em 2019 e 2020, a gente consegue ter a dimensão de onde o pantanal foi queimado anteriormente e quais foram os processos que levaram o bioma a queimar tanto quanto queimou ano passado”, complementou Ane Alencar.

A pesquisadora e coordenadora do projeto MapBiomas Fogo, Ane Alencar. (Reprodução/MapBiomas)

Os Estados que mais queimaram

Mato Grosso, Pará e Tocantins, ambos da Amazônia Legal, lideram o ranking dos dez Estados que mais queimaram até 2020. Maranhão e Rondônia, também na Amazônia, apareceram na quarta e sexta posição. 

Veja o ranking de queimadas nos Estados:

PosiçãoEstadoÁrea queimada (em km²)
Mato Grosso389.014
2º Pará 215.715
Tocantins166.686
Maranhão156.895
Bahia 116.303
Piauí 98.403
Rondônia95.443
Minas Gerais90.659
Goiás 89.590
10ºMato Grosso do Sul87.649
Fonte: MapBiomas

Prece pela Amazônia

Na última semana, a Comissão Pastoral da Terra em Rondônia (CPT-RO) realizou um evento virtual para interceder pela maior floresta tropical do mundo. A “Vigília na Defesa da Vida na Amazônia: Diga não às queimadas” aconteceu enquanto a organização segue observando o avanço do desmatamento e do fogo sobre o bioma, esperando por ações concretas do governo federal, por meio do Ministério do Meio Ambiente.

O evento fez referência ao “Dia do Fogo”, episódio que ocorreu em 10 de agosto de 2019, quando vários ruralistas se reuniram, principalmente em Novo Progresso (PA), para incendiar áreas de vegetação como forma de protesto que pedia apoio de Jair Bolsonaro ao agronegócio.

“Essas ações (as queimadas) já são corriqueiras do cotidiano, se naturalizando, ou seja, o ato de queimar está longe de estar exterminado e banido do nosso dia a dia. Nós precisamos registrar que essas ações arquitetadas pelo agronegócio, com conivência ou omissão do governo, por meio de suas instâncias de fiscalização e de punição, têm acelerado em 360 graus esses focos de queimadas de incêndios, tanto no bioma amazônico quanto no Cerrado e no Pantanal”, disse à CENARIUM Maria Petronila, membro da coordenação da CPT-RO.

Maria Petronila, membro da coordenação da CPT-RO (Reprodução/Acervo Pessoal)

“Sem dúvida nenhuma que aquela ação, chamada de ‘Dia do Fogo’, não somente impulsionou este crime, como fez com que as pessoas criminosas perdessem o medo da punição. Internamente no País, para falar a verdade, cada vez mais essas instâncias vêm perdendo a credibilidade. E aquela ação lá do dia 10 de agosto de 2019 elevou o ano de 2020 para o ano em que mais se registrou focos de queimada na Amazônia”, finalizou Petronila. 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO