Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
18 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da Folha de São Paulo

SÃO PAULO – A saída de multinacionais do Brasil nos últimos meses é resultado do agravamento de problemas estruturais, como baixa competitividade e poucos incentivos à inovação, somados a mudanças nas cadeias de produção globais impulsionadas pela pandemia, afirmam economistas.

O exemplo mais recente é a LG, que colocou sua planta em Taubaté (SP) à venda após decidir encerrar sua divisão de smartphones globalmente. O anúncio se soma ao da Sony, que anunciou o fechamento de sua unidade em Manaus (AM), e da Ford, que decidiu encerrar todas as atividades fabris no Brasil ainda neste ano.

Entre os problemas conhecidos, estão a falta de competitividade da economia brasileira e de incentivos à inovação, fator-chave em outros países para o desenvolvimento de novas tecnologias, avalia Rafael Cagnin, economista do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial).

“As empresas que deixam o país têm uma característica em comum: de alguma forma, dependem de tecnologia”, diz o economista. Agravam esse cenário a recessão que atingiu o Brasil em 2014 — da qual o país não se recuperou totalmente — e a pandemia de Covid-19. “A pandemia desordenou a cadeia produtiva e as empresas sofreram com o impacto negativo na logística mundial”, diz Cagnin.

Há também frustração com a demora no avanço de reformas defendidas pelo setor privado, como a tributária — promessa do governo Jair Bolsonaro (sem partido). “O governo não tem uma diretriz política, muito menos econômica. Tem só o discurso reformista, que não é suficiente para sustentar a permanência dessas empresas no país”, diz Nelson Marconi, coordenador do Centro de Estudos do Novo Desenvolvimentismo da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Segundo Marconi, o governo não só não tem entregue as reformas prometidas, como vem adotando medidas que afugentam multinacionais, como cortes em alíquotas de importação.

Em março, por exemplo, o Ministério da Economia anunciou redução de 10% do imposto de importação sobre produtos de informática, telecomunicações e bens de capital (máquinas e equipamentos).

“Isso cenário já vem de muito tempo. O governo não favorece a produção local e estimula a importação, e não a exportação”, diz. “A abertura [comercial], desde os anos 1990, sempre foi voltada para importação, sem ter olho na exportação.”

VEJA AS MULTINACIONAIS QUE DEIXARAM O BRASIL OU REDUZIRAM SUA OPERAÇÃO NO PAÍS:

Sony Brasil – A empresa de eletrônicos japonesa vendeu sua unidade de Manaus para Mondial, e encerrou a produção em março

Mercedes-Benz – Em dezembro, a empresa decidiu parar a produção de carros em Iracemápolis (SP)

Ford – Em janeiro, a montadora norte-americana anunciou o fim das unidades brasileiras até o fim do ano

Lime – A norte-americana de aluguel de patinetes encerrou operação no país em janeiro de 2020

Kiabi – A marca francesa de roupas do mesmo grupo de Decatlhon e da Leroy Merlin encerrou operação em janeiro de 2020