Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
19 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Carolina Givoni – Da Revista Cenarium

MANAUS – Em entrevista nesta segunda-feira, 1º, a rádio BandNews, o senador Eduardo Braga (MDB) entrou em contradição e não conseguiu explicar, porque foi contra as medidas restritivas do Governo do Amazonas para frear a contaminação por Covid-19, adotadas no final do ano passado, dias antes da crise do oxigênio no Amazonas.

No dia 26 de dezembro, após o governador Wilson Lima (PSC) anunciar as medidas de circulação, o senador foi às redes sociais se posicionar contra o decreto que poderia ter freado a contaminação e evitado o colapso do sistema.

Para a rádio, o senador afirmou. “Acho que o isolamento é importante, o distanciamento é importante, mas eu acho que, acima de tudo, a conscientização é fundamental. É preciso ter essa conscientização, mas por outro lado, precisamos ter o equilíbrio de saber de que (sic) as pessoas precisam trabalhar. E para as pessoas poderem trabalhar o que nós temos que fazer? Permitir que trabalhem e quem não cumprir o uso de máscara, o distanciamento etc ser penalizado na forma da lei”, disse.

Leia também: Braga defendeu abertura do comércio, em Manaus, dias antes da falta de oxigênio no AM

Na sequência, o senador se contradiz. “Portanto, você não precisa, dependendo do nível em que esteja a fase de transmissão, fazer o isolamento total. Quando chegou o momento da crise da pandemia, aí você tem que meter, efetivamente, para não extrapolar a estrutura de saúde do próprio hospital. Se não você tem mais pacientes infectados do que leito hospitalar. O isolamento serve para isso”, desconversou.

Na CPI da Covid-19, Braga admitiu que já sabia do surgimento da nova variante (mais transmissível e letal), naquela ocasião (em dezembro), em que se manifestava contra as medidas de isolamento decretadas pelo Governo do Amazonas. Mesmo assim, fez campanha contra. Foi para as redes sociais e insuflou a população a não aceitar as medidas.