Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
24 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Iury Lima — Da Revista Cenarium

VILHENA (RO) — O Ministério Público do Estado de Rondônia (MP-RO) abriu investigação sobre o caso do bebê prematuro dado como morto e quase enterrado vivo, em Ariquemes, terceira maior cidade rondoniense, distante 201 quilômetros de Porto Velho. 

A Polícia Civil também já apurava o surpreendente episódio, que repercutiu nacionalmente após registro de boletim de ocorrência feito pela família e o agente funerário que percebeu os sinais vitais da criança e a salvou momentos antes do enterro.

Ministério Público de Rondônia pediu cópia do boletim de ocorrência e informações sobre quais diligências já foram realizadas pela Polícia Civil. (Reprodução/MP-RO)


O Ministério Público informou à CENARIUM, por meio de nota, que pediu à Polícia Civil de Ariquemes uma cópia do boletim de ocorrência e informações sobre “diligências que tenham sido realizadas”. “Oficiou ainda à Secretaria Municipal de Saúde para que informe se foi instaurado procedimento administrativo para apuração dos fatos”, detalhou o MP de Rondônia, acrescentando que, em caso negativo, seja instaurado “procedimento pertinente para a correta elucidação do caso”.

O caso

A mãe da criança é uma jovem de 18 anos e não sabia que estava grávida até procurar a rede pública de saúde, sentindo fortes dores. Ela buscou auxílio profissional em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), na última segunda-feira, 27, e foi recebida por uma médica que, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, percebeu a gestação, receitou medicamentos e pediu exames que só ficariam prontos no dia seguinte. Por este motivo, a jovem, sem identidade revelada, retornou para casa, onde deu à luz, sem saber o que estava acontecendo.

O parto ocorreu por volta das 3h da manhã, enquanto a avó do bebê preparava o carro para levar a filha ao Hospital Municipal, em razão da volta das fortes dores. O bebê nasceu prematuro e, segundo o MP, ao contrário do que foi noticiado, a criança nasceu após sete meses de gestação, e não cinco.

Já no hospital público da cidade, o bebê foi declarado morto pela equipe médica, que informou não ter notado sinais vitais. O atestado de óbito consta a causa como ‘natimorto’, indicando que a criança já teria nascido sem vida, o que a avó rebateu, alegando que ouviu o primeiro choro do bebê logo depois do parto caseiro, sem auxílio médico.

‘Milagre’ vs. negligência

O bebê foi salvo de ser enterrado vivo graças ao atencioso agente funerário chamado pelo próprio hospital para recolher o corpo da criança. Ele decidiu levar o bebê de volta à unidade quando percebeu batimentos cardíacos e um leve suspiro. 

A Secretaria Municipal de Saúde de Ariquemes afirma que o episódio se tratou de um “milagre”, pois, “de alguma forma, o batimento cardíaco voltou” depois que a criança foi retirada morta. Para a família, que já desconfiava de que a criança ainda estava viva, especialmente a avó, tudo se tratou, na verdade, de um episódio de negligência médica.

Nascido com pouco mais de 1 kg, o bebê segue internado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital particular e reage bem ao tratamento, enquanto a mãe se recupera em casa.